Retorno da Vida Selvagem

Retorno da Vida Selvagem

Staffan Widstrand / Rewilding Europe

Pastoreio extensivo com herbívoros em regime semisselvagem

Devido aos seus pobres solos de granito, o Vale do Côa enfrenta as maiores taxas de abandono rural em Portugal. A proliferação de arbustos e a plantação de monoculturas de pinheiros tornaram a paisagem extremamente vulnerável a incêndios rurais em grande escala.

Devido a isso, há um potencial crescente na região para desenvolver modelos alternativos de uso da terra baseados no pastoreio extensivo com herbívoros em regime semisselvagem, criando assim mosaicos de paisagem que funcionam como aceiros naturais.

O projeto vai mapear áreas onde o pastoreio extensivo com herbívoros em regime semisselvagem pode ser implementado e identificar propriedades e partes interessadas com as quais colaborar. Os acordos serão assinados e os protocolos de pastoreio serão elaborados. O objetivo é que o pastoreio com Tauros e/ou cavalos crie e mantenha um mosaico de habitats que reduza o risco de incêndio e apoie populações de presas selvagens.

Disponibilidade de Presas Selvagens

O projeto visa aumentar a população de corço, particularmente em áreas onde possa ser uma presa importante para o lobo ibérico. Serão realizados censos de base sobre o número e a distribuição de ungulados selvagens na área do projeto e esses dados serão usados ​​para comparar a situação dos ungulados selvagens na área antes do início dos reforços da população, e após a conclusão do projeto. Um estudo de viabilidade social também será realizado.

Uma vez que o censo tenha sido concluído, todos os passos necessários para implementar medidas de restauração de habitat e reforço de corços serão preparados. Áreas para reforço serão selecionadas nas áreas da rede Natura 2000 do Douro Internacional, Vale do Côa e Malcata. Além da monitorização dos corços, a equipa do projeto irá também monitorizar o coelho e a perdiz, já que essas espécies são presas importantes para a águia-real e a águia-de-bonelli.

Finalmente, o projeto vai identificar e remover as barreiras à dispersão de veados da Reserva Natural de Malcata para o Vale do Côa. Possíveis corredores serão identificados e atraentes de feromonas para veado serão testados para determinar se é possível acelerar a expansão do veado para novas áreas.

Juan Carlos Muñoz Robredo / Rewilding Europe

Aves Necrófagas

Atualmente, as carcaças de gado são removidas das quintas, e estão apenas disponíveis para aves necrófagas até que sejam enterradas ou removidas pelos serviços do SIRCA, o Sistema de Recolha de Cadáveres de Animais Mortos na Exploração. A fim de garantir um fornecimento mínimo para as aves necrófagas, o governo promoveu a existência de estações de alimentação de abutres. No entanto, a fronteira hispano-portuguesa pode funcionar como uma barreira para os abutres devido à política sanitária restritiva em Portugal.

Recentemente, a legislação foi alterada e um novo procedimento abre a possibilidade de que algumas carcaças sejam deixadas em locais específicos fora de campos de alimentação de necrófagas. O projeto aproveitará essa mudança e fará propostas concretas para implementar e desenvolver o procedimento, nomeadamente criar uma rede de explorações pecuárias certificadas.

Indivíduos de grifo serão também marcados com dispositivos de GPS para estudar o seu comportamento de forrageamento, que informará a tomada de decisões e permitirá monitorizar o impacto das atividades do projeto.

Movimentos de grifos no Vale do Côa

Em baixo, podes explorar os movimentos dos grifos que marcámos através deste projeto, enquanto se deslocam à procura de alimento e locais de repouso no Vale do Côa, nordeste de Portugal e em Espanha.

  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.